Pular para conteúdo

NOTÍCIAS

Equipe de epidemiologia de São Luis utiliza teatro para encantar crianças e divulgar informações sobre o combate ao Aedes aegypti

23 de agosto, 2016 - 12h43 - Tags: aedes aegypti zika dengue chikungunya

São Luís, 15 de agosto de 2016 – Às 7h da manhã e a Defensoria Pública da cidade de São Luís (MA), já estava lotada com dezenas de pessoas, entre homens, mulheres e crianças aguardando para serem atendidas em suas demandas. Foi, neste ambiente, onde muitos buscavam orientação, que a equipe de Epidemiologia da Secretaria de Saúde Municipal de São Luís resolveu realizar semanalmente um teatro de fantoches para alertar a população sobre a importância do combate ao mosquito Aedes aegypti.

 

Miguel Diniz, de apenas 4 anos estava com os olhos arregalados prestando a atenção. “Eu gostei do teatro. Gostei do Boneco, da mãe, do pai, do mosquito da dengue, da menina. Gostei mais do boneco que fazia a menina que estava com dengue, ela ficou doente por causa do mosquitinho”, explicou. A mãe do atento expectador, Raquel Diniz, avalia como importantes orientações desse tipo. “Aqui na Defensoria não esperava encontrar algo assim, é bom a gente lembrar as informações e receber o agente de saúde”, falou.

 

A equipe de educação e saúde da Vigilância Epidemiológica de São Luís, que faz parte da Secretaria de Saúde do município, é responsável pelo projeto.  Já são 3 anos de projeto na capital maranhense com palestras nas escolas e ações nas comunidades. Segundo o coordenador do Programa de Combate ao Aedes aegypti da Vigilância Epidemiológica, Pedro Tavares, a equipe é formada por agentes de saúde que precisaram se retirar de campo.

 

O grupo promove teatro de bonecos e está habilitada a fazer apresentações em escolas, associações, empresas, barcos de passageiros, etc. “Já temos um trabalho de educação preventiva há bastante tempo, fazemos ações nos oito distritos da capital que compreendem todos os bairros da cidade. O teatro de bonecos foi uma inovação que iniciamos ano passado e tem feito sucesso com as crianças que ficam muito mais atentas e participam. Semanalmente, estamos aqui na Defensoria, além de cada agente de saúde ser responsável por agendar as apresentações nas escolas e outros espaços de seu distrito”, explicou o coordenador.

 

A equipe de Vigilância Epidemiológica para o combate ao Aedes aegypti, em São Luís, é formada por mais de 40 profissionais que atuam nas oito áreas distritais. Os trabalhos são realizados em pontos estratégicos com visita permanente em locais de risco como: ferro velho, sucatas, borracharias, cemitério e outros ambientes mapeados como área de foco do mosquito Aedes. A equipe faz também serviço de nebulização espacial.

 

Só no primeiro semestre de 2016, as equipes da vigilância epidemiológica realizaram ações que atingiram mais de 55 mil residências, entre mutirões de visitas e palestras em escolas, com cerca de 330 mil pessoas beneficiadas. As equipes realizam em média 63 ações por mês.

 

Uma delas foi promovida no dia 19, na Unidade de Educação Básica Cônego Sidney Castelo Branco, da Vila Ariri, que fica na periferia da cidade. Cerca de 50 crianças participaram de uma semana inteira de atividades de orientações sobre o combate ao mosquito Aedes aegypti.

 

Meninos e meninas de 6 a 12 anos fizeram atividades recreativas, receberam orientações e produziram material gráfico sobre o combate ao mosquito para fixarem nos muros da escola. O projeto da Semana de Educação para o Combate ao Mosquito foi desenvolvido por alunos da Universidade Vale com Acaraú e teve apoio da Coordenação de Vigilância Epidemiológica de São Luís.

 

Leia mais

Anexo(s):


Imagens em anexo


Ver todas Veja mais em Notícias do Selo

Junte-se a nós! Cadastre-se e receba novidades do selo!

Downloads - Baixe aqui arquivos úteis do selo

SOMA - Sistema de Orientação Monitoramento e Avaliação

REALIZAÇÃO

Logotipo Unicef

Logotipo Instituto Peabiru

Logotipo EFG


APOIO

Logotipo Celpa

Logotipo Energisa

Logotipo Cemar

Logotipo ache

Logotipo Neve

Veja todos
os parceiros







Selo município aprovado - Unicef